Saúde e Medicamentos

Contraceção de Emergência

As gravidezes não planeadas ocorrem em quase 2/3 das mulheres que utilizam um método contraceptivo. Isto deve-se, sobretudo, à falta de eficácia de alguns métodos e à não utilização correta do mesmo. O risco de gravidez não planeada é transversal a todos os grupos etários, estados civis, níveis educacionais e socioculturais.

Comparação da eficácia entre diferentes métodos contraceptivos.

O que é a contraceção de emergência?

É um método de emergência que permite inibir ou atrasar a ovulação e, por isso, evitar que uma relação sexual não protegida ou mal protegida origine uma gravidez não desejada. Este método não interrompe uma gravidez que já se tenha iniciado (isto é, se o ovo estiver implantado no útero).

Em que condições pode ser utilizada?

A Contraceção de Emergência pode ser utilizada até às 72 ou 120 horas (dependendo do tipo de Contraceção de emergência utilizado) que se seguem a uma relação sexual não protegida, se:

  • Não foi utilizado qualquer método contraceptivo;
  • Houve falha ou erro na utilização de um método contraceptivo (ex.: esquecimento de uma toma da pílula para alem do prazo máximo admitido);
  • Se o preservativo rompeu ou ficou retido na vagina;
  • Se houve falha no coito interrompido;
  • Se houve erro de calculo do período fértil;
  • Se o DIU se deslocou;
  • Em caso de relações sexuais forçadas (violação).

A Contraceção de Emergência deve ser utilizada como recurso excepcional, dado que:

  • Não previne a ocorrência de uma gravidez em todas as situações;
  • A sobre dosagem hormonal não é recomendável com uso regular;
  • Não pode substituir um contraceptivo regular;

Não é um método de interrupção da gravidez.

Não provoca aborto

A Contraceção de Emergência não é abortiva. Atua de varias formas, dependendo do método utilizado, para prevenir uma gravidez. Assim:

  • Pode impedir ou atrasar a ovulação (saída do óvulo do ovário da mulher);
  • Pode impedir a fertilização (encontro com o espermatozóide);
  • Pode impedir a implantação dum ovo na parede do útero, que corresponde segundo a ciência medica ao inicio da gravidez.

Se a mulher já estiver grávida, isto é se o ovo já estiver implantado no útero, a Contraceção de Emergência é totalmente ineficaz, embora não tenha qualquer efeito nocivo sobre o feto ou a gravidez.

Evita o aborto

A Contraceção de Emergência pode prevenir 3 a 4 gravidezes não desejadas. Evitando gravidezes reduz o recurso ao aborto.

Não protege das Doenças de Transmissão Sexual

A Contraceção de Emergência não protege das Doenças de Transmissão Sexual (DTS). Por isso, deve utilizar-se sempre preservativo, simultaneamente, para prevenir uma gravidez e uma DTS.

Não é um método de uso frequente

A Contraceção de Emergência pode ter efeitos desagradáveis, incluindo náuseas e vómitos. Algumas mulheres também referem dores de cabeça, tensão mamaria ou retenção liquida. Embora todos estes efeitos não tenham qualquer gravidade sob o ponto de vista médico, desencorajam a utilização repetida da contraceção de Emergência como contraceção habitual.

A Contraceção de Emergência é também menos eficaz para prevenir uma gravidez e é mais cara do que a maior parte das formas habituais de contraceção habitual.

Onde está disponível a Contraceção de Emergência?

  • Centros de Saúde
  • Consultas de Planeamento Familiar
  • Serviços de Urgência
  • Farmácias

Que opções de Contraceção de Emergência?

Atualmente existem no mercado português duas opções para a Contraceção de emergência, uma disponível em farmácias e locais de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica, o levonorgestrel, e outra somente em farmácias, o acetato de ulipristal. O dispositivo intrauterino de cobre é um método de contraceção de emergência apenas disponível nas unidades de saúde.

A contraceção de emergência hormonal atua na fase pré ovulatória, por bloqueio temporário da ovulação. O dispositivo intrauterino de cobre atua por interferência no processo da fecundação e da nidação.

A eficácia da contraceção de emergência está dependente da fase do ciclo menstrual em que a mulher está e da precocidade da toma logo após a relação sexual.

O POSTINOR da Medimpex UK Lda e o NORLEVO dos Laboratórios HRA Pharma são de venda sem receita medica. Apresentam-se em embalagens com um comprimido com:

Levonorgestrel

   1,50mg

Atua na fase pré-ovulatória precoce através do bloqueio temporário da ovulação, em média por 3 dias.

Modo de administração:

O tratamento consiste na toma do comprimido. A eficácia é maior nas primeiras 24 horas e não deve ser tomado 72 horas após.

Efeitos secundários:

Náuseas, vómitos, vertigens, falta de forças, dores de cabeça, dor abdominal, tensão mamaria e hemorragia vaginal.

Advertências:

Se vomitar nas primeiras 2 horas deverá tomar imediatamente outro comprimido.

Habitualmente a menstruação surge na altura prevista ou com uma pequena alteração. Se surgir um fluxo anormal ou atraso de mais de 5 dias deverá efetuar-se um teste de gravidez.

 

 

O ELLAONE dos Laboratórios HRA Pharma é de venda exclusiva em farmácia e é o mais recente avanço na contraceção de emergência.

Acetato de Ulipristal

   30mg

Atua tanto na fase pré-ovulatória precoce como na tardia através do bloqueio temporário da ovulação, em média por 5 dias.

Modo de administração:

O tratamento consiste na toma de um comprimido até às 120 horas (5 dias) após a relação sexual.

Efeitos secundários:

Perturbações do humor, dor de cabeça, tonturas, náuseas, dor abdominal, desconforto abdominal, vómitos, mialgia, lombalgia, dismenorreia, dor pélvica, sensibilidade mamária e fadiga. Outros efeitos são pouco frequentes ou raros.

Advertências:

Se vomitar nas primeiras 3 horas deverá tomar-se outro comprimido.

É contra-indicado em caso de alergia à substância e em caso de gravidez.

Não existem muitos estudos em mulheres com idade inferior a 18 anos.

Sugestões

  • Se não deseja uma gravidez, não deve ter relações sexuais não protegidas. Deve usar sempre um método contraceptivo;
  • Deve ir anualmente ao medico de família, ginecologista ou consulta de planeamento familiar;
  • Se houver duvidas quanto ao método utilizado não deve ser interrompido sem o conselho se um técnico;
  • Se estiver a tomar outros medicamentos deve informe-se sobre possíveis interações;
  • Os pais de adolescentes devem procurar informar os filhos sobre a Contraceção;
  • A responsabilidade da Contraceção é do casal e não somente da mulher.

Para mais informações dirija-se:

Ao Centro de Saúde e consulte o médico de família;

À Farmácia;

Telefone para uma das linhas de apoio:
"Sexualidade em Linha" 800 222 003
"Linha da Sexualidade Segura" 800 202 120

 

APF (Associação para o Planeamento da Família)

http://www.apf.pt

21 388 89 01
22 200 17 98

Breve história da contraceção de emergência

A investigação sobre a contraceção após o ato sexual já tem alguns anos.
Nos anos 20 do século passado descobriu-se que uma alta dose de estrogénios interferia com a gravidez nos mamíferos. Mas somente nos anos 70 apareceu a primeira descrição de um método contracetivo pós-coital. Em 1972, o Dr Albert Yuzpe, um médico canadiano, descreveu um método ("método de Yuzpe") que associava um estrogénio e a progesterona. Em 1976, o DIU foi utilizado pela primeira vez para a contraceção de emergência. O "método de Yuzpe" continuou a ser usado até aos anos 80, apesar dos inúmeros efeitos secundários. Nos anos 90 a OMS realizou um ensaio clínico comparando o "método de Yuzpe" e um com somente progesterona (levonorgestrel). Desde 1999 o método com levonorgestrel é comercializado em vários países como contraceção de emergência. Em 2009 foi lançado no mercado um método especificamente desenvolvido para a contraceção de emergência contendo ulipristal a 30mg, estando agora disponível em muitos países.

Voltar

Dependências Lazer
Álcool
Drogas
Tabaco








Repelentes de Insetos
Sol/Protetores
Viagens








Vida e Saúde Medicamentos Alternativos
Animais domésticos
Auto-medicação
Bebé
Contraceptivos
Emagrecer
Impotência Sexual
Menopausa
Vacinas
Acupuntura
Chá
Fitoterapia
Homeopatia

Naturopatia
Osteopatia
Quiropráxia
Tisanas

Página da autoria de Laurentino Moreira (farmacêutico) - Última atualização em 07-jan-2018