Saúde e Medicamentos

Piolhos e Lêndeas

O piolho é um parasita que provoca uma infestação, de contágio muito fácil e desenvolvimento muito rápido, provocando dermatoses. Esta é provocada pela picada que o parasita faz para se alimentar do sangue. Os piolhos têm um voraz apetite e alimentam-se cada 3 horas do sangue do couro cabeludo, depois de injetar uma substância anestésica na pele. Rapidamente os piolhos atingem o estado adulto (cerca de 3mm) e as fêmeas começam a por os ovos.

As lêndeas são os ovos postos pela fêmea piolho e que ficam coladas ao cabelo com uma saliva produzida. Cada fêmea põe aproximadamente 10 lêndeas por dia, e 160 ao longo da vida.

A infestação chamada de pediculose não é uma situação grave, apesar de desagradável quer pelo aspecto, quer pela comichão que provoca. Deve tratar-se imediatamente.

Como se transmite?

Os piolhos transmitem-se por contágio dircto (cabelo, barba, sobrancelhas), ou através de objetos pessoais: pentes, chapéus, almofadas, camisolas, barretes, cachecóis, etc.. A transmissão é mais fácil em escolas, infantários, colónias de férias ou entre familiares.

Sinais de alerta

  • Comichão na cabeça, principalmente na nuca e atrás das orelhas, e, por vezes, na fronte;
  • Aparecimento de crostas na cabeça e atrás das orelhas, provocadas pela picada do piolho e consequente coceira;
  • Presença de lêndeas esbranquiçadas presas ao cabelo.

Efeitos

Comichão provocada pela picada do piolho e feridas infectadas, no local da picada, provocadas pela coceira.

Como prevenir?

  • Vigiar com frequência a cabeça das crianças;
  • Lavar a cabeça com frequência;
  • Não usar roupa nem objetos de outras pessoas, que possam estar contaminados (podem sobreviver 36h sem se alimentarem);
  • Se sabe que está em contacto com pessoas infestadas deverá usar um repelente de piolhos.

Como tratar?

  1. Iniciar o tratamento logo que se detecte a infestação;
  2. Efetuar o tratamento com o produto adequado, de acordo com as informações do seu farmacêutico e do folheto informativo;
  3. Eliminar as lêndeas com um pente fino próprio;
  4. Lavar muito bem todos os objetos e roupa em contacto com o cabelo;
  5. Repetir o tratamento caso seja aconselhado.
Produtos para os piolhos existentes na farmácia:
  • Preventivos:
    • Fita preventiva repelente com óleos essenciais de lavanda, alecrim e cravinho;
    • Spray repelente com óleo essencial de Neem (Neem é um inseticida orgânico derivado da Azadirachta indica, uma árvore originária da Índia, nativa da região de Burna e das zonas áridas do sub-continente indiano e sudoeste asiático), tomilho e árvore do chá.
    • Champô preventivo com vinagre de Quassia amara (arbusto tropical com propriedades repelentes de insetos e inibidor da formação de quitina).
  • Para eliminar piolhos e lêndeas:
    • Loção com óleo de coco e dimeticone (Polidimetilsiloxano -PDMS);
    • Champô ou spray com óleo mineral;
    • Loção com Oxyphthirine (o qual é baseado em triglicéridos e ésteres lipídicos);
    • Loção com ciclometicone e óleo de rícino.
    • Creme ou espuma com Permetrina a 1% (Insecticida);
    • Pente metálico para remoção dos piolhos;
    • Pente eletrónico que funciona por eletrocução;

Precauções:

  • O tratamento deve ser feito na mesma altura por todas as pessoas que tenham piolhos ou que vivem com quem está infestado.
  • Seguir à risca as indicações do farmacêutico e contidas no folheto.
  • Evitar que os produtos contatem com os olhos, boca ou nariz.
  • Lavar as mãos após cada aplicação.
  • Guardar os produtos anti-piolhos longe do alcance das crianças.

Segurança:

Grávidas, mulheres a amamentar e crianças até aos 2 anos não podem usar todo o tipo de produtos, pois pode ser prejudicial.

Voltar

Dependências Lazer
Álcool
Drogas
Tabaco








Repelentes de Insetos
Sol/Protetores
Viagens








Vida e Saúde Medicamentos Alternativos
Animais domésticos
Auto-medicação
Bebé
Contraceptivos
Emagrecer
Impotência Sexual
Menopausa
Vacinas
Acupuntura
Chá
Fitoterapia
Homeopatia

Naturopatia
Osteopatia
Quiropráxia
Tisanas

Página da autoria de Laurentino Moreira (farmacêutico) - Última atualização em 07-jan-2018