Saúde e Medicamentos

    Saúde e Medicamentos

Varicela

O que é?

A varicela é uma doença de infância muito vulgar, todos os anos afeta dezenas de milhar de crianças em Portugal, especialmente durante o Inverno e Primavera. É causada pelo vírus varicela-zoster, um membro da família do vírus herpes, o mesmo que causa herpes zoster (zona). Uma vez debelada, a varicela normalmente não reaparece, no entanto, o vírus permanece alojado no tecido nervoso como que adormecido (não ativo), podendo reativar-se mais tarde, causando zona.

A varicela é perigosa?

Quando se detectam os primeiros sintomas é difícil prever até que ponto a varicela poderá ser grave. Apesar de a doença não ser normalmente perigosa em crianças saudáveis, causa mal-estar e pode levar ao absentismo das crianças à escola e dos pais ao emprego. Em crianças mais velhas e em especial nos adultos, os sintomas são normalmente mais graves e podem originar outros problemas.

Existem complicações associadas à varicela?

Apesar de raras, podem acorrer infecções bacterianas, encefalite e pneumonia.
A grávida pode estar sujeita a um risco mais elevado em relação ao aparecimento de complicações com o feto, pelo que deve evitar a exposição à doença.

Quais os sintomas?

O primeiro sintoma é febre ligeira. Um ou dois dias mais tarde aparecem manchas vermelhas normalmente primeiro no couro cabeludo e espalhando-se mais tarde pela cara, tronco, axilas, braços, pernas, boca e por vezes na traqueia e brônquios. A criança pode também queixar-se de dores de cabeça, dores de garganta, gânglios linfáticos inflamados e dolorosos, dores de estômago, cansaço e perda de apetite.
Crianças com menos de 10 anos têm sintomas mais moderados em relação às mais velhas e aos adultos.

Aspecto das borbulhas

São pequenas e vermelhas, provocam comichão e transformam-se em bolhas num curto espaço de tempo (horas). Estas bolhas cheias de líquido (vesículas) secam e formam crostas em alguns dias. Estas borbulhas aparecem durante 5 dias e a  maioria forma crosta em 6 a 7 dias

Por vezes as borbulhas deixam cicatrizes. É mais provável a formação de cicatrizes se as borbulhas infectarem. É importante impedir que a criança se coce para prevenir o aparecimento de cicatrizes.

Como impedir que a criança coce as borbulhas?

Manter as borbulhas limpas e secas, usar loções calmantes e banhos de água morna de 4 em 4 horas nos primeiros dias. Enxaguar  sem esfregar. Manter as unhas curtas para prevenir eventuais infecções e cicatrizes.

Como se transmite?

Os outros irmãos se ainda não tiveram varicela têm uma elevada probabilidade (80%-90%) de contágio. Se forem saudáveis o melhor será que tenham a doença enquanto crianças. Assim estarão protegidos de contrair varicela mais tarde, podendo ser então mais grave. Se tiverem problemas de saúde deverá consultar-se o médico.

Os adultos que nunca tiveram varicela poderão contraí-la através dos filhos. Nestes casos é necessário contatar o médico. A varicela é uma doença grave nos adultos.

Uma mulher grávida pode estar sujeita a um risco ainda mais elevado no que respeita ao aparecimento de complicações, devendo evitar a exposição à doença, devido ao risco que isto constituí para o feto. 

A varicela é também grave para aqueles com um sistema imunitário enfraquecido.

Uma criança saudável poderá estar em contacto com adultos com varicela, pois será melhor que tenha a doença em criança.

Como ocorre a transmissão da varicela de uma pessoa para outra?

O vírus é transmitido pelo ar, quando a pessoa infectada tosse, espirra ou fala, ou pelo contacto direto com as lesões do doente.

Fases da Doença

Período de incubação

Cerca de 14-15 dias contados a partir do contacto com o infectado.

Período de contágio

A varicela pode ser transmitida a outra pessoa desde aproximadamente 10 dias após ser contagiada até todas as bolhas se transformarem em crostas.
O isolamento de um doente infectado previne a transmissão da infecção.

Como se previne?

Já foi descoberta uma vacina contra a varicela e que está agora a começar a ser comercializada.
A vacina não faz parte do P.N.V. . Pode ser administrada a partir dos 12 Meses de idade ou a pessoas que estejam expostas à doença. Se administrada no período de 3 dias após exposição à doença pode prevenir uma infecção clinicamente aparente ou modificar o curso da infecção.

Qual o tratamento?

No caso de ser uma varicela ligeira o tratamento efetuado visa o alívio sintomático:

  • Paracetamol para alívio das dores e febre;
  • Banhos de água morna para alivio da comichão;
  • Loções de calamina para alivio da comichão;
  • Desinfectantes para as vesículas.

Para os casos mais graves ou doentes com fator de risco elevado existe um medicamento específico - o Aciclovir (um antivírico)- para a varicela, que ajuda de forma substancial à redução da duração da doença, permitindo que o doente se sinta melhor num espaço de tempo mais curto.
O Aciclovir inibe a replicação do vírus da varicela por interferência com DNA-polimerase encurtando o período da doença.
Além deste medicamento, o tratamento é acompanhado de um anti-histamínico, que reduz a comichão e um desinfetante tópico que diminui o risco de infecção das bolhas rebentadas.
Manter uma boa higiene corporal e das roupas evita, também, infecções.
Antibióticos poderão ser usados quando existe o risco de infecção.

Não se deve dar ácido acetilsalicílico (aspirina) ou derivados às crianças com varicela por poder causar o síndroma de Reye, que é uma complicação grave caracterizada por alterações neurológicas e hepáticas.

Se aparecerem lesões na boca, deve-se dar alimentos moles, bebidas frias e evitar os ácidos e salgados. Nas lesões na área genital poderão usar-se cremes anestésicos.

As situações mais graves deverão ser sempre acompanhadas por um médico.

Voltar

Dependências Lazer
Álcool
Drogas
Tabaco








Repelentes de Insetos
Sol/Protetores
Viagens








Vida e Saúde Medicamentos Alternativos
Animais domésticos
Auto-medicação
Bebé
Contraceptivos
Emagrecer
Impotência Sexual
Menopausa
Vacinas
Acupuntura
Chá
Fitoterapia
Homeopatia

Naturopatia
Osteopatia
Quiropráxia

Página da autoria de Laurentino Moreira (farmacêutico) - Última atualização em 26-ago-2018