Saúde e Medicamentos

                  

Saúde e Medicamentos

Saúde Animal Perguntas/Respostas 

Vitaminas e Minerais

Vitaminas

O que são

São substâncias orgânicas de origem natural e que estão envolvidas em reações importantes no organismo, mas que não são produzidas em quantidade suficiente pelo próprio organismo.

Para que servem

Não têm muita aplicação terapêutica, exceto no caso de carência vitamínica. Carência esta que resulta de:

  • dieta desequilibrada;
  • necessidades acrescidas como:
    • na gravidez;
    • no aleitamento;
    • em caso de esforço físico violento;
    • os recém-nascidos;
    • os idosos;
  • doença;
  • efeitos secundários de algum medicamento.

A carência vitamínica é rara nos países desenvolvidos.

As vitaminas são obtidas a partir da alimentação, exceto:

  • Niacina que é obtida a partir do Triptofano (um aminoácido);
  • Vitamina K e Biotina que são sintetizadas pela flora intestinal;
  • Vitamina D sintetizada pelo organismo por exposição ao sol.

O consumo de vitaminas em excesso também é prejudicial como acontece com a vitamina A e D.

Vitaminas lipossolúveis: A,D.E,K.

Vitaminas hidrossolúveis: Complexo B e C.

Vitamina A É importante para a visão, a formação dos ossos e dentes e manutenção da pele.
Mais informação>>>
Vitamina D Favorece a absorção do cálcio. É essencial para a formação e manutenção dos ossos e dentes.
Mais informação>>>
Vitamina E Antioxidante. Protege a integridade das células e tecidos.
Mais informação>>>
Vitamina K Importante para a coagulação do sangue.
Mais informação>>>
Complexo B Tem funções muito variadas. São coenzimas importantes em muitos sistemas enzimáticos. São importantes para o metabolismo e síntese dos nutrientes e constituintes celulares.
Mais informação>>>
Vitamina C Antioxidante. Aumenta a resistência celular.
Mais informação>>>

Medicamentos existentes:

  • Retinol (vitamina A) 750 U.I. + cistina (aminoácido) 300mg em cápsulas.
  • Cocarboxilase (tiamina pirofosfato - vitamina B1) 17,2mg em comprimidos.
  • Vitaminas do complexo B em xarope.
  • Vitaminas do complexo B + Colecalcigerol (vitamina D3) ou Ergocalciferol (vitamina D2) + Retinol (vitamina A)
  • Ácido ascórbico (vitamina C) a 1000mg em carteiras ou comprimidos efervescentes e gotas orais com 100mg/ml.
  • Colecalciferol (vitamina D3) ampolas doseadas a 25000 ou 100000 U.I./ml.
  • Piridoxina (vitamina B6) + cistina (aminoácido) 300mg em cápsulas.
  • Alfatocoferol (vitamina E) a 150mg em cápsulas.
  • Multivitamínicos complexos.

Coenzima Q10, Ubidecarenona

É uma quinona lipossolúvel sintetizada a nível intracelular e que entra em muitos dos processos celulares:

  • Transferência de electrões na membrana plasmática;
  • Síntese de ATP;
  • Fosforilação oxidativa na membrana da mitocôndria;

As principais propriedades são:

  • Transportador redox da cadeia respiratória mitocondrial;
  • Anti-oxidante e estabilizador das membranas celulares;
  • Elimina radicais livres e inibe a sua formação.

Benefícios da Coenzima Q10

  • Redução dos sintomas na Insuficiência Cardíaca Congestiva.
  • Benéfica na Cardiomiopatia.
  • Reduzem o número de problemas cardíacos (angina de peito, arritmia ou enfartes recorrentes) em doentes a recuperar de Enfarte do Miocárdio.
  • Melhora o controlo da glicémia em Diabéticos.
  • Diminuí a intensidade das dores musculares em doentes tratados com Estatinas para redução do colesterol.

Ácidos Gordos Polinsaturados

Os ácidos gordos polinsaturados são essenciais como componentes das membranas celulares. Alguns têm propriedades anti-inflamatórias, antitrombótica, antiarrímica e vasodilatadora. Obtêm-se através da dieta.

Mais informação>>>

Oligoelementos ou sais minerais

 

Os oligoelementos (Fe, I, Zn, Cu, Mg, Mn, Cr, Se, V, Co, Si, Ni, Mo, Sn, F) existem no organismo numa proporção inferior a 0,01%. São indispensáveis à vida e fazem parte das enzimas, como co-fatores e organizadores das estruturas moleculares da célula e membrana celular.

Fe - Ferro

O ferro é um nutriente essencial para a vida, pois entra na composição das células sanguíneas e no transporte do oxigénio.

A deficiência de ferro provoca anemia que é caracterizada por sintomas como cansaço, fraqueza, palidez e falta de concentração. Esses sintomas são tratados com suplementos de ferro.

Mais informação>>>

I - Iodo

O iodo é um elemento essencial do organismo. Uma das funções principais é como integrante das hormonas tiroideas (tiroxina e Tri-iodotirodina). O iodo serve para manter equilibrado os processos metabólicos do crescimento e desenvolvimento do sistema nervoso desde a 15ª semana de gestação até aos 3 anos, regula a produção de energia e consumo de gordura acumulada. O déficit de iodo origina hipotireoidismo, resultando o bócio e mixedema (desordem da pele e tecidos que se manifesta por edemas na face e pálpebras). Na infância, a deficiência de iodo poderá originar cretinismo, que se manifesta por atraso mental e físico.

Fontes: Peixes gordos, marisco, leite, cerveja e ovo.

Dose diária recomendada:

Idade Dose
Até 1 ano 15µg/Kg/dia
1 a 6 anos 6µg/Kg/dia
7 a 12 anos 4µg/Kg/dia
13 a 18 anos 2µg/Kg/dia
mais de 19 anos 0,8 a 1,22µg/Kg/dia
Gestantes 200 a 250µg/dia

O excesso de iodo pode causar diarreia, dor abdominal, náuseas, vómitos, taquicardia, lábios e dedos azulados.

Zn - Zinco

Essencial para a síntese das proteínas DNA e RNA, para o bom funcionamento do sistema imunológico e para a cicatrização. A deficiência crónica deste micronutriente deve-se à má absorção, cirrose hepática ou alcoolismo e manifesta-se por diarreia, eritema da face e períneo, depressão irritabilidade, queda de cabelo, susceptibilidade a infecções, falta de apetite, etc. Na anemia falciforme há deficiência de Zn.

Fontes: Ostras, carnes vermelhas, aves, alguns peixes, mariscos, favas, cereais integrais e nozes.

Dose diária recomendada:

Idade Dose
1 a 3 anos 3mg
4 a 8 anos 5mg
9 a 13 anos 8mg
mais de 14 anos 9mg(mulheres)
11mg (homens)

Cu - Cobre

É importante para a formação da hemoglobina, formação do colagéneo, pigmentação cutânea e sistema nervoso central. Na deficiência de cobre há anemia microcítica (eritrócitos pequenos). Esta pode dever-se à má absorção ou perda aumentada (síndroma nefrótico, doença celíaca, sprue, etc.). Na doença de Menke há deficiência de Cu. O excesso de cobre pode causar náuseas, vómitos, mialgias e hemólise, como na doença de Wilson.

Fontes: Fígado, mexilhões, ostras, cereais integrais, frutos secos e chocolate.

Dose diária recomendada: 0,09mg por dia nos adultos e entre 0,034 e 0,07mg nas crianças.

Mg - Magnésio

É o segundo oligoelemento mais abundante no organismo. Tem um papel fisiológico importante: faz parte de numerosas enzimas e é fundamental para a permeabilidade celular, excitabilidade neuromuscular, contração muscular e síntese de proteínas, ácidos nucléicos e lípidos e metabolismo energético.

A deficiência de magnésio pode dever-se a síndroma de má absorção, alcoolismo, perdas por diarreias e por ação de certos medicamentos. Manifesta-se por astenia, parestesia, irritabilidade neuromuscular, anorexia, náuseas, vómitos, etc.

O excesso pode dever-se à toma excessiva de antiácidos com hidróxido de magnésio e em doentes com insuficiência renal. Origina sedação, hipotensão, entre outros sintomas.

Fontes: Sementes de abóbora e girassol, frutos secos, espinafre, beterraba, leite e iogurte.

Dose diária recomendada: 320 a 420mg por dia.

Para que serve:
Melhorar o desempenho físico, pois entra na contração muscular;
Prevenir osteoporose;
Controlar diabetes;
Diminuir risco cardiovascular;
Evitar contrações uterinas antes das 37 semanas de gravidez.

Mn - Manganésio

Está concentrado nos tecidos ricos em mitocôndrias (cérebro, rins, fígado, pâncreas, etc.). É componente de várias enzimas, na síntese de DNA, RNA e proteínas.

A deficiência de manganésio origina diminuição do crescimento, ataxia, convulsões, alterações esqueléticas, etc.

Cr - Crómio

É importante para a manutenção de uma glicémia normal. A deficiência origina diminuição da tolerância à glicose, neuropatia, encefalopatia, confusão mental e ataxia. O excesso origina náuseas, vómitos, úlceras gástricas, lesões renais, hepáticas e cerebrais.

Fontes: Marisco, pão integral, carne, fígado, frutos secos, cogumelos, frutas, feijão verde, espinafre e bróculos.

Se - Selénio

Entra na composição da peroxidase do glutatião que protege os ácidos nucleicos, proteínas e lípidos das membranas de oxidação. A deficiência origina a doença de Keshan, uma cardiomiopatia.

Fontes: Farinha de trigo, pão, gema de ovo, frango, arroz, leite e feijão.

Dose diária recomendada: 55µg/dia, podendo ir até 70µg durante gravidez e aleitamento.

Para que serve:
Antioxidante;
Metabolismo da hormona da tiróide;
Prevenção de doenças;
Fertilidade masculina.

V - Vanádio

Existe no organismo numa quantidade muito pequena. A sua deficiência está ligada ao edema que surge nas alterações da nutrição.

Co - Cobalto

Inibe algumas enzimas do processo oxidativo, levando à hipoxia nos  tecidos e aumento da formação de eritopoetina. Faz parte da estrutura das cobalaminas.

Si - Silício

É necessário para o crescimento dos órgãos, matriz dos ossos,e calcificação ósseas, sobretudo no início da formação e independente da vitamina D. Também está relacionado na formação da cartilagem e do tecido conjuntivo (síntese do colagéneo e proteoglicanos da matriz).

O silício é fundamental para manter a pele firme e os cabelos e unhas saudáveis.

Fontes: Cereais, frango, vegetais e frutos do mar.

Ni - Níquel

Existe no plasma ligado à histamina, albumina e macroglobina a2. Algumas enzimas hidrogenases contém níquel.

F - Flúor

O flúor não é considerado um elemento essencial. Pequenas quantidades de flúor podem beneficiar o fortalecimento ósseo. Os fluoretos são adicionados às pastas dentais (que não devem ser engolidas) na ordem de 1000 a 1500ppm para fortalecimento do esmalte dentário. À água é adicionado, como preventivo da cárie,  em muito baixa quantidade: 0,6 a 1ppm, por ser muito tóxico.

Aspartato de arginina

O que é

O aspartato de arginina é um dipéptido constituído pela união de dois aminoácidos cuja  atividade é importante para o metabolismo celular. Intervém em todas as situações em que é necessário uma ação desintoxicante e uma estimulação do processo metabólico levando a um melhoramento do rendimento físico e psíquico.  O aspartato de arginina é rapidamente absorvido com aumento da concentração plasmática dos dois aminoácidos. A absorção intestinal não é influenciada pela ingestão de alimentos.
As substâncias activas são a arginina e o ácido aspártico.

Para que serve

É usado como anti-asténico  e utilizado na fadiga física do desportista , da grávida, em estados de convalescência, na fadiga intelectual, na fadiga sexual primária e perturbações do sono.

Medicamentos de venda livre disponíveis:

  • Aspartato de arginina doseado 1000 e 5000mg/10ml em ampolas bebíveis e cápsulas com 500mg.

Como tomar

A dose habitual é de 1 ampola 2 vezes por dia. As ampolas bebíveis devem ser tomadas no início das refeições, diluídas com um pouco de água.
A duração do tratamento depende da resposta do doente, devendo ser geralmente mantido por um período não inferior a 3 semanas.

Efeitos indesejáveis

Raras vezes foi observada intolerância digestiva.

Não são conhecidos quaisquer efeitos adversos da utilização durante a gravidez e aleitamento, mas deverá consultar o médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.

 

Voltar

Doenças Infeciosas
Hepatite
Meningite
SIDA
Vacinas
Varicela
Zona





Cuidados Corporais
Cabelo
Caspa
Celulite
Higiene oral
Pele Seca
Piolhos
Próteses dentárias
Queda de cabelo

Dermatologia
Acne
Afta
Calos
Dermatite
Diarreia
Frieiras
Hematomas
Herpes Labial
Micoses
Queimaduras
Varizes

Página da autoria de Laurentino Moreira (farmacêutico) - Última atualização em 18-out-2016