SAÚDE e MEDICAMENTOS

Uso de máscara

Como distinguir a COVID-19 da Gripe ou Constipações?

Muitos dos sintomas das infeções mais vulgares, nos meses de outono e inverno, são comuns à Covid-19, constipações e gripe. Para distinguir a que doença se deve, há que avaliar como um todo.

A febre pode ser um sintoma-chave, pois é um indicador muito importante e que está presente tanto na gripe como numa infeção por Covid-19. Nas constipações e alergias este é um sintoma raro.

Segundo a Organização Mundial da Saúde:

  • 88% dos doentes com Covid-19 desenvolveram febre e

  • 68% tosse seca.

Outros sintomas são:

  • Falta de ar ou dificuldade respiratória;
  • Dor de garganta;
  • Diarreia;
  • Fadiga;
  • Arrepios;
  • Mialgias (dores musculares);
  • Perda de paladar ou de olfato.

Alergia ou constipação?

Os espirros estão associados a ambas as situações. No caso das alergias sazonais, a comichão no nariz é bastante comum. Já na constipação, a tosse está, normalmente, associada. No caso de sofrer asma alérgica, todos estes sintomas estão associados. De qualquer maneira, a febre alta não é comum nestas situações, assim como dores no corpo, fadiga, dores de cabeça e sintomas gastrointestinais. Na constipação, é normal o espirro, o que não acontece com a Covid-19, sendo vulgar haver febre. Nesta infeção a tosse é mais seca.

Embora a dificuldade respiratória e falta de ar sejam sintomas associados ao Covid-19 (que não acontecem em gripes e constipações), também se podem dever à asma. Sobretudo, quando não há febre associada.

É importante que os doentes asmáticos tenham a sua doença controlada, pois são um grupo de risco da infeção por Covid-19. Se estes doentes prevenirem o agravamento das alergias, com a toma da medicação indicada para o efeito, a probabilidade de terem dificuldade respiratória será muito menor e, como tal, de confundir com Covid-19.

Gripe ou Covid-19?

Por outro lado, a gripe assemelha-se mais à Covid-19. Febre alta e tosse seca são comuns às duas doenças, embora a forma como comecem seja diferente.

Congestão nasal, fadiga, dores musculares e de cabeça são mais vulgares na gripe e a perda de olfacto, falta de ar e sintomas gastrointestinais mais vulgares na Covid-19.

Uma característica da gripe e constipações é que os sintomas são limitados no tempo, já na Covid-19 eles são prolongados no tempo e faseados, podendo desaparecer e reaparecer novamente durante meses.

Comparação dos sintomas nas várias doenças

Covid Constipações Gripe
Sintomas Ligeiros a moderados Graduais Abruptos
Febre Comum Raro Comum
Fadiga Por vezes Por vezes Comum
Tosse Comum e geralmente seca Ligeira Comum e geralmente seca
Espirros Não Comum Não
Nariz entupido e secreções Raro Comum Por vezes
Dores de garganta Por vezes Comum Por vezes
Dor de cabeça Por vezes Rara Comum
Dores no corpo Por vezes Comum Comum
Dificuldade respiratória Por vezes Não Não
Diarreia Rara Não Por vezes em crianças
Perda de olfato e paladar Frequente e demora tempo a melhorar Por vezes, devido à obstrução nasal. Transitória Por vezes, devido à obstrução nasal. Transitória

A constipação e a gripe são comuns durante os meses mais frios, podendo acontecer em qualquer altura do ano. A Covid-19 não apresenta qualquer sazonalidade.

Qualquer uma destas doenças é contagiosa mesmo antes de aparecerem os sintomas, pelo que a prevenção pelo uso de máscara, distanciamento social e etiqueta respiratória são importantes para evitar a disseminação.

O período de contágio é de 7 dias no caso da gripe e 10 dias na Covid-19.

A Covid-19 é mais grave nas pessoas idosas e/ou com doenças crónicas, sendo mais ligeira em crianças e jovens, em que é, muitas vezes, assintomática.

 

Voltar

CONSTIPAÇÃO

A constipação é uma infeção das vias respiratórias superiores de caracter ligeiro. É mais frequente nos meses frios, mas pode atacar durante todo o ano.

Constipação e gripe são muitas vezes confundidas, mas os sintomas nasais não mais vulgares na constipação e a febre alta na gripe.

Existem centenas de vírus que podem causar esta doença, sendo os mais vulgares os rinovírus.

A transmissão é feita pelas gotículas de saliva ao espirrar ou respirar, mas também através de objetos contaminados quando a mão toca no nariz e boca. Os sintomas aparecem 1 a 2 dias após o contacto com o vírus, sendo os mais comuns tosse, espirros, comichão e vermelhidão do nariz, garganta inflamada, congestão e corrimento nasal, dor de cabeça ligeira, febre baixa, olhos lacrimejantes, diminuição do olfato e paladar.

Os sintomas são a resposta do organismo à infeção, pelo que ao fim de alguns dias desaparecem.

O repouso, a ingestão de líquidos, a proteção contra o frio e a higiene nasal com soro fisiológico ou água do mar atenuam os sintomas.

A prevenção é feita pela higiene das mãos e evitar tossir ou espirrar para as outras pessoas, mantendo as regras de etiqueta respiratórias. Não há vacina.

O tratamento consiste no alívio dos sintomas através da toma de anti-histamínicos, descongestionantes e analgésicos.

GRIPE

A gripe é uma doença infeciosa viral aguda, provocada por diversos vírus influenza. Estes vírus variam de ano para ano e existem diferentes estirpes em circulação.

A gripe ataca sobretudo durante os meses frios.

Os sintomas mais comuns são calafrios, tremores, febre, rinorreia, dores musculares generalizadas, dores de garganta, dores de cabeça, tosse geralmente seca, fadiga e uma sensação geral de desconforto. Em crianças é frequente provocar dores abdominais e diarreia.

No início é difícil distinguir a doença. No entanto, a gripe aparece de uma forma repentina, com febre alta, calafrios e fadiga intensa.

A diarreia é um sintoma mais frequente em crianças. Em adultos foi detetado durante a epidemia por gripe das aves.

As medidas de prevenção são similares à constipação: higienização das mãos, evitar o contacto com pessoas infetadas, proteção do frio.

A melhor maneira de prevenir a gripe é através da vacinação. A vacina protege contra os vários subtipos de vírus que se suspeita virem a circular. Esta deve ser efetuada durante os meses de outubro e novembro para proteger até fevereiro.

Mas nem todas as pessoas são vacinadas. A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda a vacinação a pessoas de idade avançada, doentes crónicos ou com doenças que reduzam a resistência e a profissionais da saúde.

Para tratamento da doença recorre-se ao alívio dos sintomas com analgésicos e antipiréticos, à ingestão de líquidos e ao repouso.

COVID-19

O SARS-COV-2 é mais um vírus de uma grande família que pode causar doenças em humanos e animais. Alguns coronavírus causam resfriados, outros, doenças mais graves como SARS (Síndrome Respiratório Agudo). Este vírus (SARS-COV-2) causa esta nova doença designada de Covid-19.

A identificação da doença Covid-19 é difícil, pois os sintomas são semelhantes à gripe. São necessários testes para confirmar o diagnóstico

Os sintomas podem ser ligeiros, quase assintomáticos, a mais severos, aparecendo até 14 dias após o contacto com o vírus. Os sintomas mais comuns nesta doença são febre elevada e calafrios, tosse seca e fadiga. Outros sintomas menos comuns incluem dificuldades respiratórias ou falta de ar, dor generalizada no corpo, músculos, garganta e cabeça, perda de paladar ou olfato, congestão nasal, náuseas ou vómitos e diarreia.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) grande parte das pessoas recupera da doença sem necessitar de tratamento. Um quinto das pessoas, sobretudo idosos com doenças crónicas (doenças cardíacas, pulmonares, diabetes, hipertensão não controlada, doenças oncológicas) ficam mais gravemente afetadas, desenvolvendo dificuldade em respirar.